2007-06-26

Tejo Ciclável 24 de Junho de 2007

Ontem fui ao Tejo Ciclável. Foram 80km feitos em ritmo calmo na companhia de um colega de trabalho. A média foi de 24km/h. Rolámos sempre à frente do pelotão. Via-se de tudo, novos, velhos, magros, gordos, btt’s, estradistas, grandes máquinas e grandes pasteleiras também.

A organização deixou na minha opinião um bocadinho a desejar:

- A partida foi dada às 7:50 em vez das 7:30
- Na paragem do Freeport não havia nada que se comesse, apenas havia uma garrafa de água pequena
- A t-shirt da praxe era ‘M’ para todos, sem hipótese de escolha
- A lembrança (t-shirt) foi dada apenas no fim do evento e estivemos mais de 30m à espera que a carrinha chegasse.

Por tudo isto, nota amarela.

SD

1 comentário:

Rui disse...

C/CONHECIMENTO


A TODOS OS CICLOTURISTAS
Exmos Srs.

DIRECÇÃO DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CICLISMO E UTILIZADORES DE BICICLETA (FPCUB)


ASSUNTO: TRAVESSIA DA PONTE VASCO DA GAMA COM A SUA BICICLETA - TEJO CICLÁVEL“Travessia da Ponte Vasco da Gama com a sua bicicleta - Tejo Ciclável” - 21 de Junho de 2009
Costa da Caparica 22 de Junho de 2009
O Grupo de cicloturistas do Parque de Campismo da Costa da Caparica do Clube de Campismo de Lisboa (CCL), vem por este meio mostrar o descontentamento pela deficiente, mesmo má, organização, por parte da FPCUB, no evento acima citado, e que passo a descrever

• Aquando da inscrição, foi logo solicitado a quantia de 10€ por cada elemento participativo e que prontamente foi pago através de transferência bancária.
• Constantemente solicitada aquela Federação, sobre o levantamento de dorsais assim como das lembranças e ainda de umas t-shirts, para as quais foi pedido o tamanho de cada elemento, foi respondendo a FPCUB, que através do site oficial, iriam dar as indicações para o efeito.
• Até hoje, e o evento já se realizou, e qualquer pessoa menos atenta, verá que no site em questão não existe nada que mencione aquele assunto.
• Mas como os cicloturistas são uma grande família, através de uns e outros, lá se soube como é que se iria levantar os dorsais.
• E foram á sede da FPCUB, para efectivarem o levantamento, e qual vergonha das vergonhas, foi dada uma desculpa, que a t-shirt não seria entregue, uma vez que a firma fabricante tinha demorado na entrega.
• Mais vergonha, com uma organização tão longínqua e o valor das inscrições já na conta da Federação, e as t-shirts não chegarem a tempo? Que organização foi esta?
• Mais.
• Foram entregues as t-shirts, no próprio dia do evento, antes da partida, mas como a equipa deste Parque, chegou em cima da hora, as benditas t-shirts já tinham acabado, e como prémio de consolação foram entregues umas do Corte Inglês, da prova da semana anterior “Lisboa Antiga”
• Os 10€ é que não foram devolvidos. Enfim, prossigamos, que há mais.
• Começou a prova, e como em todas as provas normais, que são organizadas por entidades, que fazem das tripas coração para as organizar, muitas vezes com dispêndio dos carolas, onde ao fim de 30, 35 kms, há sempre um suplemento, sólido ou liquido, não se compreende como é que com o esforço já dispendido e a temperatura que se fazia sentir, por altura do Porto Alto não houvesse uma simples agua para molhar os lábios. Esta prova era uma festa de cicloturismo, não uma prova profissional, nem tão pouco tortura chinesa.
• Mas o pior ainda estava para vir.
• Ao fim de 60 kms andados, com um calor abrasador, chegados ao Freeport, em Alcochete, quando fomos pedir agua, é de bradar aos céus, NÂO HAVIA. Já a tinham bebido toda, e a culpa era dos primeiros cicloturistas, que beberam muita, e a esgotaram. Palavras para quê, meus Senhores!!! È o País que temos e os organizadores de provas que temos.
• Cada um desenrascou-se como pode no interior do Freeport.
• A travessia da Ponte Vasco da Gama foi feita ainda com um calor mais abrasador, e chegados ao parque Tejo, ainda havia uma ténue esperança de haver alguma garrafa de água para no fim molhar os lábios.
• Já não havia ninguém da organização, Eclipsaram-se, talvez com medo de ouvirem as mais justas reclamações.
• Fica de boa memória, o alegre convívio entre cicloturistas, e de má memória a já demasiadas e repetidas vezes, má organização de qualquer prova da FPCUB.
• Assim não dá, e temos que pensar seriamente, na remodelação desta Federação.
• Já agora, se não fosse pedir demais, na qualidade de sócios, gostaríamos que nos fosse enviadas as contas deste evento, pagamento de inscrições, patrocínio e despesas, se nos for facultada, e se não for pedir demais.

Com os melhores cumprimentos
p/O Grupo de cicloturistas do CCL-Parque da Costa da Caparica